São inúmeras as conquistas femininas nos últimos anos. Mercado de trabalho, direitos e liberdade. Juntamente com essa independência, surge um comportamento atual das mulheres pelo mundo, o desejo de viajar sozinha.

A Munira contou a experiência dela pelo Egito, e já indica para que todas as mulheres possam ter uma viagem como esta pelo menos uma vez na vida. Além da imersão em uma cultura completamente diferente, é também um mergulho de autoconhecimento.

O roteiro começou em Cairo, onde ficou dois dias e de lá seguiu para Aswan onde iniciou o Cruzeiro pelo Rio Nilo passando por Edfu, e Luxor. Antes de embarcar no Cruzeiro, ela visitou o Templo de Abu Simbel, e indicou o passeio “Foram 3 horas de carro apenas para chegar até lá, mas o lugar é lindo, indico com certeza!” Ela também visitou o Temple of Edfu, as Pirâmides de Gizé, a Grande Esfinge de Gizé, e o Templo de Karnak.

Sobre a gastronomia local, contou que a maioria dos valores são acessíveis, e o café da manhã dos hotéis é muito parecido com o que estamos acostumados no Brasil. Uma dica importante, dada por ela é a respeito do trânsito considerado caótico, e para não se perder, chegar ao destino com tranquilidade e aproveitar o momento, o guia é indispensável em todas as ocasiões principalmente para quem opta por viajar sozinha.

Se tratando de um país como o Egito a parte do vestuário é algo que merece atenção. Entre os países muçulmanos ele é considerado o menos tradicional e mais liberal, mas mesmo assim é bom ficar atento com excessos de roupas ou demonstrações afetivas em público. Sempre lembre de ouvir as orientações do seu guia turístico antes de iniciar os passeios, é comum em alguns lugares religiosos, como igrejas e mesquitas, não ser permitido visitar vestindo roupas muito curtas por exemplo.

O idioma local é o Árabe, mas a grande maioria também fala inglês, fique tranquilo em relação a comunicação.

Os riscos encontrados lá são como em qualquer outra viagem, mas viajar sozinha pode oferecer alguns contratempos, por isso, nada melhor do que contratar uma agência especializada para transmitir segurança e orientar em todas as situações que possam surgir.

“O Egito é um país ímpar, com muitas histórias para contar. É indescritível o que vivi e senti por lá nestes dias. As pessoas também são sempre simpáticas e prestativas, voltarei um dia com certeza.” Finalizou Munira.

Viajar sozinha é uma oportunidade única de estar conectada a você mesma, sem as urgências e rotina do dia a dia. Aumente as suas experiências, ouse uma vez separar um tempo somente pra você ao redor do mundo.